30 novembro 2011

Mommy & Me...

Mommy & Me... Just sweet!!!


Das 11h55 de 30 de Agosto e Das músicas que me aquecem o coração XV...

Há 3 meses atrás, às 11h55, nasceste. E contigo nasceu também uma Mamã
Passaram 3 meses... Estás a crescer bebé, cada dia que passa descobres coisas novas, cada dia é uma nova aventura no Mundo para ti... 
11h55min de 30 de Agosto. Gravado na minha memória, para sempre. Quando te ouvi chorar, quando me disseram que eras perfeita e saudável, o meu novo coração de Mamã encheu-se de algo novo e ao mesmo tempo, hoje me confesso, de alívio. Tinha dado à luz uma menina perfeita e saudável. A partir desse momento, só me restava fazer-te feliz, cuidar de ti e educar-te o melhor que sei, o melhor que posso... Todos os dias, tento meu amor pequenino, minha texuguinha, meu sol... 
Hoje fazes 3 mesinhos. E tudo o que te quero dizer, é que whatever tomorrow brings I'll be there...Sempre, ao teu lado, a segurar a tua mãozinha e a amar-te incondicionalmente... Sempre... Terás em mim sempre um porto de abrigo, um porto seguro, não importa qual seja a tormenta Francisca..
Parabéns, piquena. E obrigada por estes 3 meses recheados de ternura. E por tudo o que ensinas à Mamã...

29 novembro 2011

Das músicas que me aquecem o coração XIV...

Hoje não me sai da cabeça... Faz parte de mim esta música, parte da minha essência... 
Afinal, todos queremos encontrar o caminho para a nossa"casa", whatever that means... 

I've been down and
I'm wondering why
These little black clouds
Keep walking around
With me
With me

It wastes time
And I'd rather be high
Think I'll walk me outside
And buy a rainbow smile
But be free
They're all free

So maybe tomorrow
I'll find my way home
So maybe tomorrow
I'll find my way home


Das prendas para o micro sapatinho...

Apesar de não gostar do Natal, é óbvio que a piquena vai ter um micro sapatinho pónei recheado de prendas. Ela ainda não percebe nada, mas tira-se umas quantas fotos, para mais tarde recordar...  
Quando fez um mês, comprei-lhe um KicoNico de prenda. Fi-lo pelo que o boneco significa (ela não faz ideia do significado, mas faço eu (boa estratégia de vendas, enfiarem estas coisas pelos olhos "adentro" aos Pais) Quando crescer explico-lhe... Todas as manhãs acorda e brinda-o com um belo sorriso rasgado. E eu derreto-me mais que manteiga ao lume... ) e porque o achei fofo.
"O KicoNico tem tudo o que se possa imaginar de bom, porque representa a bondade. O KicoNico é único, não é perfeito mas é muito feliz; tem um pequeno remendo, uma cabeça grande e uma orelha maior do que a outra. Basta observá-lo para descobrir as coisas que são realmente importantes."
Há dias, descobri que o bicho tem um amiguinho inseparável. E o que a Imaginarium juntou, não vai o "home" separar, certo? 
Pois então, no micro sapatinho da Francisca há-de estar um PakoNico. Mega ternurento...
 "O PakoNico simboliza a felicidade."

28 novembro 2011

Hoje...

Hoje só quero segurar-te nos meus braços horas sem fim. Ver-te dormir, ver-te sorrir, ouvir o teu choro, ouvir-te suspirar... 
Hoje só quero segurar-te nos meus braços e proteger-te do Mundo. Proteger-te de tudo..
Mas sei que isso não é possível, minha bebé pequenina, minha luz, meu tesouro... 
Vejo-te a dormir profundamente, ouço o som da tua respiração tranquila, vejo a tua cara linda. Aprecio a maneira como pões as tuas pequenas mãozinhas enquanto dormes. Com o que sonharás? Que te guarda o futuro minha pequenina? 
Hoje quero proteger-te de tudo nos meus braços... Mas sei que não é possível minha bebé... E isso, saber isso com toda a certeza, esmaga-me por dentro. Deixa o meu coração  de Mãe tão pequenino e angustiado...

27 novembro 2011

Da árvore de Natal..

Hoje tenho de ir buscar o mono da árvore de Natal à garagem. Sou casada com um tipo que adoooooora o Natal e à pala disso tenho uma árvore (artificial pois claro, as outras sujam muito) até ao tecto. Ou quase... 
Eu não gosto do Natal. Ponto. Aqui me confesso. Não gosto, não gosto, não gosto...Não percebo o porquê das árvores até ao tecto, da casa toooooda decorada (como na LalaLand, aqui no meu tasco fica-se pela árvore gigantone e já é muito bom!), de milhentos presentes inúteis (um  autêntico desperdício de dinheiro. Ao menos se querem gastar, podiam oferecer alguma coisinha útil...) Não entendo. Não gosto dos doces de Natal, detesto Bacalhau e Perú é seco (sou muito esquisitinha com a comida, tenho de o admitir). Não gosto de confusões nem ter de conviver com determinadas pessoas porque é Natal. Se não convivo o resto do ano, para quê fingirmos por umas horas que somos todos muito amiguinhos??? (behind every fake smile, there's a backstabbing bitch...Oh ya, there is...).  Como este ano cortaram nos subsídios, ainda menos me apetece levar com a coisa. Com os trocos extra, sempre dava para meter um par de sapatos chiquitérrimos na lista, disfarçados de prenda de Natal de sonho (tipo uns Badgley Mischka que tive o ano passado. Yay!!!). Este ano, bóia... (também não posso usar saltos, ainda tenho a bacia em obras...oh sorte!!!) 
Quando era miúda, ia sempre à missa de dia 25, em terras Transmontanas. Ia com a minha querida Avó (que me exibia aldeia fora como a luz dos olhos dela), os meus Pais e quem mais estivesse a celebrar a quadra por lá. Fazia mais sentido nesse altura que hoje em dia. Ao menos percebia o porquê de tanto entusiasmo. Com o tempo, cada vez fomos sendo menos a celebrar o Natal no meio do nada e com a minha condição de casada, passou a ser celebrado noutras paragens... Algures entre uma coisa e outra, deixei de gostar do Natal...
Custa-me perceber o frenesim de compras. A necessidade de ter de dar alguma coisa porque é Natal... Detesto centros comerciais nesta época do ano, dão-me urticária. E as músicas de Natal em repeat levam-me a um estado de completa insanidade... 
Mas pronto, lá vou eu buscar o mono e tentar que ao menos, já que tenho de levar com a coisa e já, fique uma árvore de Natal pónei.  
Talvez para o ano, quando a Francisca for maior e perceber o que se passa em seu redor, o meu espírito natalício apareça de volta. Who knows???
Por enquanto, continuo a ser a prima do Grinch, com um mono de árvore de Natal gigante para decorar...

26 novembro 2011

Da era Pré-Francisca e das manhãs...

Nunca, mas é que nuuuuuuunca fui uma morning person. Tirar o rabo da cama de manhã cedinho era tortura. Da mais cruel que se possa imaginar! Era como se me estivessem a tirar da cama pelos cabelos. Precisava de 3 despertadores e mesmo assim sabe Deus... Regra geral, acordava atordoada, tomava banho atabalhoadamente e vestia-me para ir para a escola ou, quando "cresci", trabalhar. Tudo em modo zombie. E que ninguém se atrevesse sequer a dirigir-me a palavra antes de ter tomado o pequeno almoço, com uma "meia de café" (só com um bocadinho de leite, o café é que interessava). Levavam de volta uns grunhidos pré-históricos e um olhar fulminante. Eram assim as minhas manhãs na era Pré-Francisca. 
Essa era gloriosa já passou à história...( e ainda bem, a nova era pós-Texuguinha tem muito mais piada) 
Agora, dear lord, agora... Acordo sozinha, sem despertador, dez minutos antes da Francisca emitir o seu primeiro som de reclamação por não ter biberão feito. Levanto-me, preparo o biberão e pego na piquena mesmo antes do livro de reclamações começar. Dou o biberão e muitos miminhos a uma Francisca sonolenta, que nem percebe muito bem o que está a acontecer, mas que lá vai bebendo...(devagar, devagarinho, não queremos cá pressas). Volto a po-la no berço, ela olha para as mãos como se estivesse a ver o primo do E.T e dez minutos depois adormece de novo. Na era Pré-Francisca, eu voltava para a cama, feliz da vida e continuava a dormir como se não houvesse amanhã
Depois de alimentar a minha preciosa cria, tomo banho, visto-me, tomo o pequeno almoço (continuo a beber litros de café) esterilizo biberões, dou de comer à canina, ponho a mesa para o almoço, arrumo o que for preciso em casa (mas já aprendi a não me armar em dona de casa desesperada. Marido insiste que se temos empregada para alguma coisa é), acendo a lareira (estas casas são um gelo, chegava a estar mais quente na rua que dentro de casa. Como é que é possível?), vejo os meus sites de cusquice, os blogs que sigo, and so on and so forth... Aa piquena acordar e me encher de sorrisos envergonhados (e me encher a alma de alegria pura).   
I'm becoming a real morning person.... Someone, call the news channel asap... Isto é digno de registo... (e se assim continuar, acho que vou começar a trabalhar de manhã bem cedinho, para dignificar o meu novo eu. Esperam-se novos tempos áureos de produtividade...mas isso é só em Fevereiro...E nunca se sabe quando o meu antigo eu aparecerá de manhã qual Dom Sebastião para me tramar o esquema...)

Da farmácia na campónia...Adenda

A busca pela tetina revelou-se infrutífera... A desgraça, o horror, a tragédia... Nem na cidade a sério mais perto consegui encontrar o que tanto precisava.
Lição retirada: nunca pensar que a coisa não pode piorar muito mais... Pode...sempre!!!
Não vim embora de mãos a abanar. Nada disso! Não fiz 160 km (mais coisa menos coisa) para vir sem nadinha de nada. Trouxe comigo mais uma pérola para a minha colecção e ainda tive a honra de atribuir mais um dos tão famigerados prémios farmácia na campónia... 
Eu: Boa tarde, tem produtos da Medela ? 
Farmacêutico: O quê? 
Eu: Medela 
Farmacêutico: Não, essa marca de cosméticos não temos cá!!! 
Eu: (OMG!!!! OMG!!!! Seriously??? Seriously???Não partas o coco a rir, controla-te, tu consegues...) Boa tarde e obrigada!  
Saí da farmácia o mais depressinha que pude.  
A minha querida Amazon salvou-me o dia (e acabou por me poupar uns trocos). Seis tetinas mais dois biberões encomendados (a ver se abre o apetite ao pisco). Só chegam daqui a uns dias mas, at least, that problem will be solved...
E com esta história toda, ainda ganhei o prazer de Marido nunca, mas nunca mais se atrever a gozar indecentemente quando quero comprar tudo nas idas à nossa cidade (on your face dude!!!). "E é sempre a primeira vez, em cada regresso a casa, rever-te nessa altivez, de milhafre ferido na asa... "

25 novembro 2011

Da farmácia na campónia...

A Francisca anda um pisco para comer. É de bater com a cabeça nas paredes. Torra a paciência por completo ao Pai e à Mãe... Desde que nasceu, sempre usou uma tetina xpto (variflow, aconselhada até aos 3 meses de vida da piquena), que se assemelha à maminha. (Ah pois é minha menina, não quiseste mama mas mesmo assim tens trabalho a puxar o leite do biberão, não te escorre. Faz pela vida, rapariga!!!) 
Mas, nos últimos tempos, atingiu todo um novo nível. As paredes começam a parecer pouco e começamos a olhar em volta à procura de uma esquina tal é o desespero para que a piquena beba o leite sem demorar três quinze dias (mais uma hora vá...uma hora!!!, para beber uma miséria!) 
Vai daí, Marido sempre fofo (ando a elegoiar-te muito, vou-te deixar mal habituado) sai em busca da tetina normal (acreditem, para nós está na linha da esmeralda perdida). Percorre 999 mil farmácias (lá farmácias não faltam na campónia, disso não me posso queixar...) e nenhuma, nenhuma senhores, tem as ditas. Têm todas muito poucas coisas da Medela (terra de fim de mundo, jasuuuuus!!!)... 
Houve uma que se destacou de entre todas, ganhando o tão desejado prémio de farmácia na campónia... 
Marido: Boa noite, gostaria de saber se têm tetinas da Medela, sem ser as Calma. As que adaptam nos biberões maiores... 
Farmacêutico: O quê? 
Marido: Tetinas da Medela. 
Farmacêutico: (vira-se para dentro) Oh "não sei quantos", alguém deixou cá tetinas para a Medela??? 
OMG!!!OMG!!! Seriously ??? 
Marido sai de mansinho da farmácia, antes de se desmanchar a rir na cara do senhor...
Hoje vamos à cidade a sério. Évora... Até hoje faz-me uma imensa confusão e urticária  em como é que é possível que, duas cidades separadas por tão poucos km, sejam tão diferentes... 
Em busca da tetina maravilha, here we go!!! 

24 novembro 2011

Do que dá ler sites de cusquices...

Querida Leti
Até te achava alguma piada. De plebeia a Princesa com carisma, nice bedtime story. Mas, desculpa lá, isto agora é tudo menos bonito. É doentio... Uma coisa é ser elegante. Outra coisa é ser um esqueleto vestido com roupas finórias e caras. E mostrar isto ao mundo, metendo na cabeça de adolescentes que este é o padrão de beleza correcto, que é assim que têm de ser para serem minimamente atraentes, dá origem a muitas "dores de cabeça(daquelas que não se curam com ben-u-ron e que eu já senti no pelo)
De certeza que a Casa Real Espanhola ainda tem uns trocos para te levar a um médico rapariga... (que não um cirurgião plástico, got it?)

Das leggings...

Após várias visitas a diferentes centros comerciais, consegui as tão faladas shape up leggings da Calzedonia. 
Quando vi o tamanho das ditas ia morrendo. Não estava a perceber de todo como seria suposto enfiar naquele mísero bocadinho de pano as pernas e o fofo. Imaginei-me a tentar vestir aquilo e ouvir o som de tecido a rasgar por todo o lado. Marido entrava no quarto furibundo porque tinha acabado de romper 25 euros com a minha falta de experiência a vestir peças de roupa para supermodels. Back to reality, a menina da loja disse que era mesmo assim, que parecia que nenhuma mulher se conseguiria enfiar naquilo (quanto mais uma mulher com corpo pós parto...) A malta confia e vá de começar a elaborar um plano para me enfiar nas ditas. Estica daqui, puxa, estica mais et voilá consegui enfiar-me nessa dita peça de vestuário milagrosa. 
Fui ver-me ao espelho e pensei para comigo " Eh pá, que giro e tal, mas não vejo bem onde é que está a diferença para umas leggings normais. Mas ficam bem e não tenho muito tempo para dissertar sobre a coisa que está na hora da manicure (yay)..." 
Fui mostrar ao Marido (já que tinha sido ele a procurar a coisa para mim, aqui a je não podia) e... Bem, pelos vistos, aos olhos do cromossoma y cá da casa é mesmo algo milagroso.  
Abstenho-me de reproduzir os comentários proferidos pela minha cara metade. Mas que as ditas dão o efeito que apregoam, dão. 
Testado e aprovadíssimo por quem mais importa.. 
E em muito, muito, muito tempo senti-me bonita, sexy de novo...

22 novembro 2011

Deste vídeo que me derreteu...

Quero muito levar a Francisca à Disney. Tanto me faz que seja à EuroDisney ou à DisneyWorld (eu preferia a última, mas vai-se onde o porquinho mealheiro permitir)
Comentava com o Marido que gostava de a levar quando ela tivesse aí uns dois aninhos (a piquena ainda nem três meses tem e eu já penso nisso...). Marido argumentava que é melhor quando ela for maiorzinha, que será capaz de apreciar mais
Hoje, depois de me mostrar este vídeo, rendi-me e fiquei convencida que ele tem razão (mas não te habitues, tens razão duas vezes por ano, Mr!)
Vejam e digam se não é absolutamente delicioso ver a reacção desta menina???

Das músicas que me aquecem o coração XIII...

Chove lá fora. A lareira está a crepitar. A Francisca palra com os peixes da espreguiçadeira. A Mofli dorme, enrolada como uma pequena bolinha de pelo. E ouço a porta a abrir. Chegaste...  Agora sim, o dia está perfeito...
 Everything is perfect now – I held my breath
Everything is perfect now – You held my hand
Everything is perfect now – Moving away
Everything is perfect now – Further from land
Everything is perfect now – The stars were bright
Everything is perfect now – The water clear
Everything is perfect now – I felt your heat
Everything is perfect now – As you swam near


21 novembro 2011

Da "mamas é que é bom"...

Em casa da Tribo dos meninos perdidos, tenho a Dona Fátima. Trabalha para a família há anos. É um doce (tirando o gostar de andar sempre a mudar as molduras de lugar, cada um com a sua panca...). Nunca se vai embora sem deixar a mesa posta e uma laranja arranjada para a menina (já conhecida como laranja à la Dona Fátima). A minha roupa e a da piquena é sempre passada a ferro primeiro, a que ficar, fica. Peças de roupa nossa, sempre on top of priorities... (mimo é tão bom...). Quando aconteceu o desastre da amamentação (em que estava na Tribo) deu-me imensas palavras de carinho e conforto e disse que as "Dadas" (como é conhecida a coisa num termo mais popular e não tão pónei como o científico, mastite com infecção e já sem volta a dar) são horríveis (não desejo a ninguém aquela dor) e o que era importante era eu por-me fina e que a piquena estava linda e saudável, para não me preocupar...Resumindo, gosto muito dela e das suas pérolas (como não deixar a roupa da Francisca a secar na rua à noite antes de ser baptizada porque acontece já não me lembro bem o quê. Whatever...) 
Em minha casa, tenho a Oksana (estrangeira, como o nome indica). No início, quando começou a trabalhar para nós, limpava a casa de fio a pavio em três tempos e ainda tinha tempo de passar a ferro e limpar as escadas do prédio. Hoje em dia, arrasta-se para fazer uma dessas coisas. Mas tudo bem, já sei que no início limpam sempre muito bem e depois descuidam-se, devem ficar "habituadas". O problema agora é que, desde que voltei para minha casa, sempre que ela vem sou bombardeada com episódios de uma série intitulada "Mamas é que é bom"... 
No primeiro dia em que voltamos, perguntou pela Francisca e logo a seguir se dava mama. Disse que não, não porque não quisesse mas porque não foi possível. Expliquei-lhe o que aconteceu. Recebi de resposta um "Pois... mas mamas é que é bom...". Sim, mas ela tem de comer, seja lá como for. Resposta "Pois, mas mamas é que é bom... A minha sobrinha com dois anos ainda mama!" (WTF??? Dois anos??? A criança já tem dentes e come bifes!!!!) Whatever... Pensei que fosse naquele dia e coisa pasasse... Mas nãaaaaao. Óbvio que não. De cada vez que vem cá, bombardeia-me com a história do "mamas é que é bom". (Oh santa, eu sei que é bom, mas que quer lhe faça???). 
Hoje foi mais além e decidiu que eu deveria aprender mais coisas com ela sobre a maternidade, tais como (ler com sotaque ucraniano, para se aproximar mais da realidade)
- Não dá água à Francisca??? Ahhh, mas tem de dar! (não, não tenho. A Pediatra disse para não dar!) 
- A bebé tem de ter uma linha vermelha atada ao pulso para espantar o mau olhado... (e um dente de alho ao pescoço também, não?) 
- Não se pode habituar os bebés a estarem quentes. Ficam fracos. Os "ciganos" nunca têm frio, andam de manga curta ou só com uma blusinha! (vou já por a Francisca de interiores ali na varanda, que é para ela não se habituar a ter uma temperatura confortável (não é sobreaquecida). Mas vou já a correr muito...) 
- A menina chora muito... (WTH???). Na quinta feira estava nos vizinhos de baixo e ouvia chorar muito. (Chorou 5 minutos porque tinha fome e foi o tempo de lhe preparar o biberão)... 
- Estive em casa da X (nossa conhecida) e até disse, Francisca chora muito, muito, muito... (a minha filha chora para comer e para arrotar. E quando a tiro da água... E que raio tem ela de andar a dizer se a piquena chora muito ou pouco????). Mas ainda fica melhor, quando me diz que foi perguntar à X se já tinha vindo visitar a Francisca. (Não, ainda não veio porque ainda ninguém a convidou. Porque houve uma separação muito chata entre a X e um grande amigo do meu Marido e nestas coisas é sempre complicado perceber o que é correcto fazer...)
Nem meio dia é ainda e já só quero dar com a cabeça numa esquina... Dai-me luz senhores... Dai-me luuuuuzzzzzzzz... 

20 novembro 2011

Da espreguiçadeira "assombrada"... Mistery solved...

Até há uns dias atrás, a espreguiçadeira assombrada estava sem pilhas. Assim não corria o risco de acordar de madrugada com a música do carrinho dos gelados a tocar e a coisa a abanar sozinha. Mas como já estava farta de ver aquele mono com a parte das pilhas abertas, pensei: "Vou voltar a por as pilhas e fechar aquilo, que já me faz impressão...". Tudo bem... Não tocou, não abanou e eu pensei que o problema estaria resolvido. 
Até que... Marido chega a casa, alapa rabiosque no sofá e começa a mexer no comando da TV. Como que por magia (sinistra) a música do carrinho dos gelados começou a tocar, sozinha, sem intervenção de quem quer fosse (e Francisca que estava lá sentada arregala muito os olhos e pensa:  Que é isto???) 
Elementar, meu caro Watson... O comando da TV deve emitir numa frequência muita semelhante ao comando da espreguiçadeira. E assim, quando mexemos nele, a espreguiçadeira responde como se fosse o comando que lhe pertence... Marido percebeu isto (sim foi ele, não eu) após vários ensaios (cientificamente validados por mim). 
Ainda bem que não fui a uma loja dizer que tinha uma espreguiçadeira assombrada, poupou-me a uma grande vergonha...
Elementar, meu caro Watson... 

19 novembro 2011

Das músicas que me aquecem o coração XII...

Acordei com a sensação horrível de coração pequenino, como se carregasse no peito todo o peso do Mundo. Sem motivo ou justificação aparente.  E, imediatamente, esta música invadiu a minha mente...
 Oh Gravity is working against me
And gravity wants to bring me down

Oh twice as much ain't twice as good
And can't sustain like a one half could
It's wanting more
That's gonna send me to my knees

Oh gravity, stay the hell away from me
And gravity has taken better men than me (now how can that be?)

Just keep me where the light is..



18 novembro 2011

Das minhas pancas...

Tenho muitas pancas, mais do que as que deveria ter... True story. Não poderia fazer um  único post a falar das minhas pancas porque teria material suficiente para escrever um livro (ou uma tese (pânico!!!), mas infelizmente ou felizmente, a tese de Doutoramento não contempla nenhum capítulo sobre as pancas da autora). 
Uma das muitas que assombram a minha vidinha pacata é  gostar necessitar de ter sempre as mãos impecavelmente arranjadas. Unha limada na perfeição e verniz sem ponta de lasca ou imperfeição. É panca. The thing is: não tenho ponta de jeito para o fazer. O que leva a que tenha de recorrer a quem saiba (e pagar)
Marido acha que sou um bicho estranho (não que não o seja). Porque raio não sou capaz de pegar num verniz e pintar as unhas se sou capaz de trabalhar com coisas bem mais complicadas e que exigem muita mais perícia? Mas a verdade é que não sei, não consigo, at all. Deve estar relacionado com a minha grave inaptidão para trabalhos manuais. Nos tempos de Escola, as aulas de Educação Visual (que hoje em dia devem ter um nome mais pónei) eram uma verdadeira tortura. Eu odiava aquilo, não conseguia fazer uma esquadria em termos, não conseguia desenhar uma bicicleta sem que esta acabasse semelhante a um porco alien. Os Professoras da dita disciplina odiavam ter-me como aluna. Acho que chegavam a sentir pena de mim. Desde esses tempos até hoje, nada mudou nesse campo.  
Com tanto lava biberão, esteriliza biberão seguido de desinfecção das mãos quinhentas vezes ao dia, as minhas mãozinhas sofrem. Muito. Estão secas como asfalto e as minhas queridas unhas lascam e partem. Não há verniz, por melhor que seja, que aguente mais do que uns míseros 3 dias até eu o decidir remover, porque para os meus critérios já não está  minimamente apresentável. E volto a tentar explicar ao Maridinho que eu preciso de ir novamente à manicure, que é uma espécie de terapia alternativa (mas bem mais barata que consultas de Psiquiatria). Adoro o cheiro do verniz e o brilho das unhas acabadas de pintar.
Finalmente e ao fim de uma semana (já estava a sentir o síndrome de abstinência) consegui ir tratar desse assunto. Voltei para casa feliz da vida, semelhante a uma criancinha que teve o brinquedo que tanto queria. 
maluquinhos para tudo... Resta-me convencer o Marido que, com tudo o que envolve alimentar a Bebé Milupa, tenho de ir mais vezes à minha terapia não convencional... Esperemos que ele vá na converseta... 

17 novembro 2011

Dos apetites da canina...

Mofli, a fera, tem um apetite muito delicado. Comida para cão é algo que não se aplica à bicha. Mesmo cheia de fome, não come comida (caríssima) especialmente elaborada para a sua raça. Isso é para os outros canitos de 4 patas, não para ela. Não, Mofli exige refeições requintadas. Graças ao seu apetite gourmet, não consigo comer frango. Só o cheiro dá-me a volta ao estômago. Tudo porque a bicha acha que só deve constar do seu menu frango (a parte das coxas se faz favor, peitos e assim não descem tão bem) com arroz cozido. Uma finória. 
Ultimamente, decidiu acrescentar algo de novo ao seu cardápio: Aptamil Confort 1. Quando preparo os biberões da Francisca, por vezes (muitas, dado que sou um pouco a dar ao muito destrambelhada) algum do leite em pó da lata cai para o chão. É ver a canina, feliz da vida, a lamber como se não houvesse amanhã o leite do chão. E se a Francisca, que quando não quer mais leite, descobriu que o sabe cuspir (não é bolsar, é mesmo cuspir. Charming... ) ainda melhor. Não preciso de ir a correr buscar a esfregona, Mofli handles the job. Em escassos segundos...  

16 novembro 2011

Dos filmes da minha vida III...

Este é o filme da minha vida. Não um dos, mas O filme da minha vida. O meu favorito, my one and only. Vi-o pela primeira vez com dez anos. E desde aí, já o vi de novo tantas e tantas vezes, que quase sei as falas de cor. E a música, como eu adoro aquela música...
Hoje, se tivesse tempo suficiente (não tenho, Mommy duties will be required shortly e depois preciso dormir para aguentar o stress que me espera amanhã), revia-o de novo. Há qualquer coisa nele que me prende, que me encanta verdadeiramente. Acho que se vivesse num País de língua inglesa, a minha filha se chamaria Scarlett. Não é uma heroína convencional, boazinha, santinha, lamechas ou cheia de moralismosmas é uma lutadora. E, para mim, lutar, conseguir seguir em frente e adaptar-se ao que a vida nos atira para o prato, é algo que aprecio incondicionalmente.
Este filme faz-me sempre (re)lembrar que, mesmo no nevoeiro mais denso das incertezas que por vezes me atormentam (como o dia de amanhã),  "After all, tomorrow is another day..."

" Frankly, my dear, I don't give a damn." 

" As God is my witness, as God is my witness they're not going to lick me. I'm going to live through this and when it's all over, I'll never be hungry again. No, nor any of my folk. If I have to lie, steal, cheat or kill. As God is my witness, I'll never be hungry again."

" Tara! Home. I'll go home. And I'll think of some way to get him back. After all... tomorrow is another day."

(1939)

15 novembro 2011

Do triste fim do escovilhão...

Na Tribo dos Meninos Perdidos, há que ter tudo debaixo de olho. Misteriosamente, as coisas desaparecem sem deixar rasto. Ou então assumem novas e estranhas funções. 
Num destes fins-de-semana em que fomos à cidade do timbre pardacento, o escovilhão dos biberões da bebé Milupa teve um fim trágico, pouco digno de um utensílio usado para lavar a fonte de alimentação da piquena
Entro na cozinha e deparo-me com o meu Pai, tranquilíssimo da vida, a passar os pratos por água para os colocar na máquina de lavar loiça. O meu Pai é daqueles Homens à séria, que ajuda em tudo o que pode. Era ele que me mudava fraldas em pequena, só para terem uma ideia da espécie de Homem que estou a falar. Pensei para mim mesma : "My Daddy rocks. Yeah!!!" Até que me aproximei da banca e reparei que a escova usada para retirar os restos de comida dos pratos não era uma escova mas sim o escovilhão. Drama, horror, tragédia... 
-" Oh PAAAAAAAI, tu não vês que isso não é uma escova da loiça?" 
- Hãaaaa??? (cara de espanto) 
- Tu achas que isso é uma escova de limpar os pratos
-Não é? (cara ainda mais espantada) 
-Nãaaaaaaaaaaao. É o escovilhão de lavar os biberões da miúda!!! 
-É o quê? (ar muito mais espantado) 
-O escovilhão, aquela coisa com que esfrego os biberões, estás a ver? 
- Não... No teu tempo (e no tempo dos vickings, presumo eu) não havia estas poneisices... Mas digo-te já, dá imenso jeito para tirar os restos de comida dos pratos!!!"
Virei costas a abanar a cabeça. A Tribo dos Meninos Perdidos é uma causa perdida, it's not worth the fight... 
E assim, o escovilhão viu a sua curta existência como utensílio para biberões terminada (e 4 oiros, como diz a minha Avó, foram ao ar). Mas o meu Pai ficou feliz com a sua nova escova para a loiça xpto... 
É o que é preciso senhores, alegria... (e paciência, muita paciência...) 

Das músicas que me aquecem o coração XI...

Chove. Em intervalos, mas chove. Bastante. E eu só consigo ter esta música a tocar over and over again no meu IPod, enquanto aprecio a beleza da chuva que cai lá fora...
All the leaves are brown and the sky is grey
I've been for a walk on a winters day
I'd be safe and warm if I was in LA
California dreaming
On such a winters day


14 novembro 2011

Coisinhas bonitas...

Este é um projecto novo de uma amiga querida, recheado de coisinhas bonitas.

Vejam, aqui

Das Bisavós...

A Francisca tem três Bisavós. Duas do lado paterno e uma do lado materno. Infelizmente, já não tem nenhum bisavô. 
Do lado materno, ou seja, a minha querida Avózinha, esse poço de cultura Transmontano, é a primeira Bisneta. Quando conheceu a Francisca, depois de muito babar, perguntar se era mansinha (i.e, se era uma bebé calminha) e dizer "que Deus a proteja sempre", rematou com um "O Pai não pode dizer que a filha não é dele..." Ora, muito bem, acho que o Pai já sabia disso, mas obrigada pela confirmação... 
Do lado paterno a coisa tem muito mais piada. Uma das Bisavós da minha filha é daquelas velhinhas com uma língua muito, muito afiada. Nunca tem, e pelo que me contam nunca teve, nada de simpático para dizer. Nada. E para melhorar, está a ficar meia senil, dando azo a conversas, no mínimo, estranhas. Como da vez em que Marido lhe liga a contar que ia ter uma Bisneta e ela perguntou se estava tudo bem com o menino. Marido reitera de novo que  é menina. No final da curta (e louca) conversa ela manda beijinhos para o menino e Marido estava plenamente convencido que a Senhora não fazia ideia com quem tinha acabado de falar. No dia do nascimento da piquena, Marido liga a dar a boa nova. Bisavó pergunta como se chama o menino (again), ao que ele responde: É menina e chama-se Maria Francisca (creio que já lho tinha dito antes, mas dá-se o desconto que a idade pesa e para lá caminhamos todos). A resposta do outro lado da linha em relação ao nome da piquena foi um "Esperemos que ela goste do nome quando crescer..." (WTH???) Mais nada, ficou-se por aí a conversa... Nunca ligou a saber da piquena nem tão pouco demonstrou interesse em a conhecer até ao dia de hoje. Whatever... 
A outra Avó do meu Marido é um doce de Senhora. É mesmo querida. Mas também diz o que lhe vem à cabeça sem grande (nenhum) travão, o que leva a conversas hilariantes, nas quais a minha Sogra (habitante da Lala land) exclama constantemente num tom de profundo escândalo "Oh Mãeziiiiiiiinha, não diga isso...", tentando "encobrir" os "podres"da família (na Lala Land tudo tem de ser politicamente correcto)  e as histórias deliciosas que a Senhora gosta de me contar (e eu adoro ouvir para me rir)Já tem 9 bisnetos e nunca se esquece de nenhum.  Antes de regressarmos "à base", a Francisca foi "dar um beijinho". Quando descíamos para entrar no carro e seguir viagem, a Bisavó atirou para as vizinhas, que apareceram num ápice ao verem uma criança de colo (fenómeno que não consigo entender até hoje) : "Esta tira a Mãe de culpas" (tradução: a Francisca é a cara chapada do pai). 
Lindo não é? Só me sai disto...duques e cenas tristes...e pérolas, muitas pérolas....

13 novembro 2011

Das músicas que me aquecem o coração X...e das Viagens...

Poderia ser a banda sonora da nossa família... Só tinha de substituir o Jack pelo Maridão, Maria Francisquinha, Mofli (a fera) e eu. E um carro enorme (estou mesmo a falar a sério, o bólide cá de casa é o segundo carro mais comprido do mercado automóvel) que desde que a Dez-reis-de-gente nasceu mingou substancialmente. 
Com o carro atulhado de tralha, com reminiscências de família feirante, fazemos os nosso trajecto A1-A10-A13-A2-IP8 ou no sentido inverso, depende do que a vidinha decide e manda (extremely boring, até porque em algumas destas estradas só se vê um carro quando o Rei faz anos ou o é Verão e a malta vai para o Algarve. Fora isso, essas autoestradas estão sempre às moscas. Dinheiro bem gasto, sem dúvida... Moving on...).
Ontem foi dia de Hit the road... Mas fazemos o caminho inverso daqui a 3 semanas, não  se aplica a parte do "never come back"... Nós todos e a "tenda" que carrego comigo (Marido: "Como, explica-me, coooooooomo é que é possível tu conseguires achar que é preciso tanta coisa?" E, pacientemente, suspira enquanto carrega as sacas e saquinhas que eu acho indispensáveis...) 
São assim as viagens desta piquena família, em que esta música faz parte da OST do longo trajecto...
Hit the road Jack and don't you come back no more, no more, no more, no more.
Hit the road Jack and don't you come back no more.
What you say?
Hit the road Jack and don't you come back no more, no more, no more, no more.
Hit the road Jack and don't you come back no more.


11 novembro 2011

Das músicas que me aquecem o coração IX...

Gosto...muito. 
To call for hands of above
To lean on
Wouldn't be good enough
For me, no.

One night of magic rush
The start - a simple touch.
One night to push and scream
And then relief. 

Da ovelhinha Lela...

Andava eu tristíssima porque achava que a Francisca precisava de mais brinquedos que a estimulassem. Com cores e sons e avisos na caixa a dizer que desenvolve isto e aquilo e mais não sei o quê... Fui à Chicco (podiam pagar-me para fazer publicidade, não era?) e comprei o tapete dos animais da quinta (ou algo com nome muito semelhante, whatever...). 
Cheguei a casa e fui deitar a Francisca no seu novo tapete colorido e cuja caixa dizia que desenvolvia imensas capacidades das criancinhas. Quando a piquena se mexe, consoante o sítio onde esteja, activa uma música (ou som) do animalzinho que está por baixo dela. Há o Cão, o Peixe e... a ovelhinha Lela (começa logo mal...Quem é que chama Lela (seriously???) a uma ovelha para crianças????). 
No primeiro e segundo dia, achei um piadão ao tapete (infelizmente, acho que nesta idade da piquena, a Mãe encontra mais graça aos brinquedinhos do que a própria Francisca). Sempre que acordada, colocava a Francisca no seu tapete educativo para "brincar". Até que um  fenómeno irritante começou a acontecer... Mesmo que a deitasse em cima do peixe, ela arrastava-se para cima da ovelhinha Lela. Em cima do cãozinho, iden aspas, aspas iden. Se a deitar em cima da ovelha, fica lá, a dar às mãos e aos pés (=brincar) e a activar constantemente a música (ou som) da bicha. 
Por isso, passo os meus dias, já inconscientemente, a cantar o raio da música... 
Mééééééééé
Sou a ovelinha Lela
Redondinha e muito bela
Tenho a lã branca e macia
Adoro comer todo o dia....
Uma, duas, três, sempre a subir
Como nos vamos divertir? 
(Vá, todos, mãozinhas no ar para mais um encore...) 
E agora, vou tomar banho e quase de certeza que vai ser esta a música cantarolada no duche... 
Dai-me luz senhores...