21 outubro 2011

Das parecenças...

Dizem que, quando os bebés nascem, são todos iguais. Eu também achava que sim. Pequeninos, vermelhos e enrugadinhos (shame on me). Até a Francisca nascer e achar que era o recém nascido mais bonito e perfeito que alguma vez vira (continuo a achar...). Seria capaz de reconhecer a minha piquena numa sala cheia de recém nascidos. A imagem dela após o nascimento, quando veio por breves momentos à minha beira e nos vimos, finalmente, olhos nos olhos, ficou-me cravada na mente. Como que a ferros. Algo que nunca conseguirei esquecer (duvido mesmo que se aquele senhor Alemão decidir visitar o meu cérebro, consiga apagar a imagem da minha bebé acabadinha de vir ao Mundo). 
Dizem, também, que quando são ainda muito bebezinhos, não se parecem com ninguém. Mas a verdade é que desde o dia em que nasceu que toda, mas toda a gente sem excepção, diz que a Francisca é a cara chapada do Pai. E o Pai baba qual São Bernardo (minus a pipa ao pescoço) quando ouve tal. É sim, muito parecida. Especialmente nos olhos, na expressão do olhar. E as orelhas são iguais (fotocópia), incluindo um biquinho na cartilagem de uma delas, facto que levou Marido e Sogro ao delírio e êxtase pleno quando constataram tal facto, dado ambos terem também o dito. 
A minha genética (que não é grande coisa) foi vencida pela do meu Marido (ainda bem). Sei que os bebés mudam muito com o passar do tempo, mas quase com dois mesinhos (já???????), a Francisca mantém-se muito, mas mesmo muito, parecida com o Papá. 
Meu, herdou as mãos, com dedos e unhas compridas (das poucas coisas que gosto em mim). Dedos de pianista como se costuma dizer (pode ser que a piquena decida dar uso ao piano que tem em casa dos Avós e no qual a Mamã nunca mais tocou desde que deixou o Conservatório). E os lábios. Sim, aqueles lábios têm a minha marca. Desenhados e carnudos. Mas tudo o resto, é o Papá.
E é tão bonita e perfeita a minha doce pequenina... 

1 comentário:

guilherme alexandre disse...

Até pode ser parecida comigo.. mas para mim nestes dois meses.. tem sido doce como tu.. Oxalá seja sempre.. :)