22 fevereiro 2013

Vale a pena pensar nisto...


Roubadíssimo, descaradamente, à minha querida M.P, daqui!

FALTA ESPAÇO PARA O SONHO



"As crianças portuguesas não são diferentes das crianças do resto do Mundo. Se excluirmos situações específicas e graves que têm a ver com a fome, a doença, a guerra, os maus tratos em geral, um dos grandes problemas da criança dos países mais avançados é a solidão.
Solidão é aqui tomada como um estado de “abandono” relativo. Levantar às seis da manhã. Lavar. Vestir. Alimentar. Transportar para o infantário. Deitar. Levantar. Comer. Deitar. Comer. Transportar para casa. Comer. Deitar. E tudo isto em situação de stress e de enorme fadiga dos pais e das crianças. Solidão como inexistência de tempo e de disponibilidade para o diálogo, a ternura e o jogo. A criança está tanto mais só quanto os seres humanos vão estando. Solidão e falta de espaço para o sonho.
Hoje, as crianças são “obrigadas” a crescer depressa. Falta-lhes tempo para “inventar”, para aprender fazendo “tolices “. Muito cedo a criança precisa de ter “sucesso” de ser a melhor. Não a melhor a brincar e a criar, mas a melhor na creche, no infantário, na escola. A mais bem-comportada. A que tem melhores notas! Classifica-se a criança pela sua capacidade de ser “igual” aos adultos e não pela sua capacidade de ser só (!) criança.
Muito cedo o adulto força a naturalidade da criança transformando-a num ser automatizado, intolerante, egoísta. Felizmente que nem sempre consegue.
É talvez nas classes média e média alta que a exigência dos Pais se poderá quase tornar numa forma de violência. As razões parecem simples. Nos extremos e por razões inversas, as crianças ou sobrevivem à custa da sua própria imaginação ou vivem com meios que talvez lhes garantam alguma liberdade. Na classe média o objectivo a atingir é sair dela. Aqui a criança corre ainda mais o risco de ser “robotizada”. Tem de ser “alguém” na vida. Desde muito cedo é “educada” para ser igual e se possível melhor que as classes altas. E sobretudo a este nível social que se tornou frequente ouvir “pelos nossos filhos fazemos todos os sacrifícios”. E fazem mesmo. Sacrificando-se e por vezes sacrificando as crianças. Não lhes deixando espaço para se exprimirem naturalmente e condicionando-as em função de um ou dois objectivos. A competição a qualquer preço e o sucesso social sem olhar a meios.
Claro que é bom ter sucesso. O processo para o atingir é que não se obtém num livro de receitas. Vai-se lá chegando com ternura e bom senso e sem nunca esquecer que as crianças, cada uma à sua maneira, necessitam de espaços de liberdade.
Pais. Tudo isto parece ser um pouco pessimista. Mas não desanimem. Nada na vida é uma fatalidade. Muitas vezes pequenas mudanças na rotina do dia-a-dia fazem a diferença. Vocês vão ser capazes! São capazes! Seguramente que vão poder encontrar um bocadinho do vosso tempo para dar mimo. Um carinho! Vai ser bom. Vá lá! Basta uma festinha e um colinho. Basta um gesto pequenino para nunca ninguém se sentir sozinho."

Professor Dr. Octávio Cunha