03 janeiro 2013

Dói-dói...

Ontem, a Francisca fez o primeiro dói-dói a sério nos seus 16 meses e uns trocos. Francisca não, para a beira da salamandra não. Vem cá Francisca, vamos para a cozinha ver os gatinhos (os imans de gatinhos com que brinca no frigo enquanto eu sopeiro ). Francisca não. Francisca NÃO! E nisto, sai disparada do meu alcance a correr tropegamente. Hesitei um milésimo de segundo. O suficiente para não a alcançar a tempo e impedir que aqueles dois dedinhos longos e brancos tocassem na lateral da coisa (a frente está protegida mas as laterais apenas até uma dada altura) antes de o meu braço alcançar o dela. Francisca inspirou e susteve a respiração durante o que me pareceu uma eternidade. E depois, o grito de dor e as lágrimas gordas. E eu olhei em volta para pedir ajuda. Ninguém. Muito sangue frio, muita calma. Muita água fria, muita mão gelada da Mãe, muito colo e mimo e beijinho. 10 minutos depois, não era nada com ela, embora a cada 5 minutos voltasse a choramingar para perto de mim para dar beijinho no dói-dói. Dei muitos e mais alguns. E cá dentro e apesar de não ter sido grave, duas bolhitas que desaparecerão dentro de dias, a culpa. A culpa que só as Mães conhecem. A culpa que nos mói por dentro. Porque hesitei? Porque não a puxei logo em vez de insistir no NÃO? Porquê? Claro que sei que os acidentes não acontecem só aos outros. Mas doeu-me tanto a dor dela misturada com a minha culpa sentida, com sentido ou não, que senti tudo o que era entranha revirada. Não foi grave, mas podia ter sido. E os acidentes, acontecem a todos... 

9 comentários:

Valsita disse...

Como te compreendo... e a Pips anda numa fase em que decidiu que a sua brincadeir apreferida é saltar do sofá... volta e nao volta la me apanha distraida e cai...
:S
Beijinhos

Sónia disse...

A culpa fica sempre, mas o dói-dói passa mas nunca mais se vai esquecer que se meter lá a mão se vai magoar.
Custa mas aprendeu uma lição e quem sabe evita-se um mal maior.
Muitos beijinhos e miminhos no dói-dói

Magui disse...

Ainda não me habituei a estas coisas, penso sempre que só acontece a quem está com eles e que ninguém é culpado, mas quando sou eu a não conseguir evitar a dor também fico de rastos... O que importa é que já passou e fizeste o melhor papel de mãe, aquele que cura com beijos e mimos. E quando ela olha para ti não vê em ti a culpada mas sim a que cura com beijinhos!

Bi disse...

Podia ter escrito isto. No fim de semana a Carlota queimou-se no ferro de engomar. 2 dedos, 2 bolhas, muitas e muitas lagrimas. Dela e minhas tambem com a sensação de culpa.
Um beijinho grande e as melhoras.

Fashionista disse...

acontece a todas!

Jardim de Algodão Doce disse...

Os acidentes acontecem e o que importa é que não foi nada de grave. Os dói-dóis passam mais depressa com os beijinhos das mamãs :)

raquel disse...

Oh minha querida!
Como eu te entendo!!
Estas coisas só acontecem a quem está com eles, a quem cuida, a quem vigia...
Não nos podemos culpar, sabemos que faz parte, mas a verdade é que custa muito!!!
Como sabes ainda há 1 semana passei por algo semelhante (e há 3 semanas também) e sempre comigo, sempre a menos de 1 metro de mim...
Um beijinho enorme de carinho para as duas, porque ambas tÊm doi-doi (e sei que ainda doi mais À mamã)*

Magda E. disse...

A minha no Natal, tb se queimou no aquecedor em casa da tia, não fez nada, mas aprendeu que não se mexe. O colinho da mãe é quase sempre o melhor remédio, e sim, fica-nos smp a culpa. beijinhos

M.P. disse...

Ai meu Deus!!! Agora veio-me à memória a vez em que ele me caiu redondo no chão de um muda fraldas de quase 1,50m de altura. Lembro-me bem de lhe ter pegado logo ao colo e o ter apertado contra mim e desse sentimento de culpa me ter feito desatar a correr pela casa, aos berros feita histérica, à procura nem sei eu de quê nem de quem porque estávamos sozinhos... Fiquei doente nesse dia. A culpa é lixada...