29 setembro 2012

Update da coisa...

A Francisca já só deita 1/4 da pleura fora quando a deixo de manhã no infantário.É o tempo de dar beijinho e fechar a porta e ela cala-se. Chantagista. Gosta mais da São que da Paula. Arranjou um namorado loirinho mas ela é quem veste as calças na relação: quando acorda da sesta faz questão de o acordar aos abanões de seguida que quem muito dorme pouco aprende. É o terror da sala e não tem problemas nenhuns em acertar o passo quando não lhe agrada a melodia. Senti-me envergonhada. Os meus Pais acharam o máximo a neta ser mandona e não me toques. Decidi escolher outra batalha. Ando a ver se oriento a minha vida. Já me orientei para ter que fazer que não sirvo para estar em casa, aborrece-me profundamente. Na minha área. Mas dava jeito era meter algum no banco. Também me podem pagar em numerário que não sou esquisita. Em géneros não, obrigada. Desde os 16 que sempre tive os meus trocos e a chegar aos 30 nem ver tusto. Mas gosto do sítio e das pessoas e há uma possibilidade para breve de satisfazer o meu desejo de alimentar o porquinho. Passo tempo demais a pensar que se calhar deveria ser daquelas pessoas que dão O salto. Que ou porque mudam de cidade, ou porque foram Mães ou porque outra coisa qualquer descobrem uma nova faceta empreendedora e tornam-se mulheres de sucesso. Não tenho talentos especiais mas descubro sempre uma ruga ou um verniz a lascar. E expressões deliciosas do Alentejo. E restaurantes bons. E que ver o mar me faz muita falta. Tantos anos a passar na ponte da Arrábida sem prestar atenção e agora falta-me o azul imenso. E a pronúncia do Norte que me denuncia onde quer que entre. E sinto orgulho de onde sou. De onde ele é. Da cidade que viu a minha filha nascer. E sinto orgulho pela minha escolha. De estar neste sofá de pijama e meias, remelosa, com ele. A rir em conjunto da barbaridade que vimos na casa dos degredos. para tragédia basta o que basta. Em conjunto. Sem tic tac doc. Sem terceiros. Sem Tribo e sem Lalaland. Com ela. Com a Mofli. Com o Chico & Chica os gatos bilontra. No meu sofá. Na minha casa. No meu pequeno mundo, tão (im)perfeito. 

2 comentários:

Magda E. disse...

até me emocionei caramba!

Magui disse...

E que bom update!
A parte da miuda ser a "dona" da relação, querias o quê? As mulheres do norte não são as despachadas? E ainda por cima com esses molengas, se não é ela a impor-se essa relação fica uma bandalheira!
O resto é tudo em bom e espero que depressa (para já de preferência) esses senhores decidam começar a alimentar o teu porquinho que isto trabalhar é lindo e dá saúde e tira-nos de casa e de dentro do pijama, mas receber por isso também sabe muito bem!
Beijinhos enormes